sábado, 12 de maio de 2018

EMMA E FUMONI






Resultado de imagem para imagem de binóculo
Imagem Google


Lembrete ao leitor habitual do blogue.

                Sou eterno mininão. Gosto de me divertir. Daí é que costumo fazer um bolão nas Copas do Mundo. Para a Copa da Rússia dei o nome de Zabivaka, o mascote dela, e o enviei para os amigos. O pano de fundo da postagem a seguir é exatamente o futebol. Sabedor disso, você não terá dificuldades em interagir com a prosa. Caso tenha ficado curioso e quiser participar da brincadeira, mande um e-mail para tcarneirosilva@gmail.com que terei o maior prazer em enviar a tabela de jogos e o regulamento do bolão, ok?
            Conheçam agora a Emma e a Fumoni.

            EMMA E FUMONI

Ouvi o barulho do carro estacionando e me virei. Era quase meio-dia.
"Es ist er, Emma. Wahrheit. Ich bin aufgeregt, Anchieta”, consegui ouvir o alemão do casal quando descia do automóvel. Caminhavam na minha direção, numa felicidade só. Fiquei assustado com o “É ele mesmo, Emma”. “Verdade. Estou me sentindo excitada, Anchieta”.
Por que falaram em alemão, por que a moça se excitara e por que tamanha felicidade?
- Como vai, amigo. Prazer enorme encontrá-lo aqui, macho.   
- Nossa, você é do jeitinho que eu imaginava.
Falavam agora em português. Ele, no inconfundível sotaque cearense; ela, tentando disfarçar a origem berlinense. Nunca os tinha visto mais gordos, como diziam no meu interior. Estavam me confundindo com alguém, é claro. Isso não me impediu de ser sociável e ficar de pé. Terminamos nos abraços e beijinhos. Mas o beijo da moça não me chegou social. Chegou insaciável, isso sim. O meu no rosto dela foi normal. No dele não rolou, confesso. Quis comentar com a loura acerca de meu jeitinho, mas o beijão dela dispensava comentários.
Bom, estávamos no MPBar, meu barzinho preferido. E onde sempre o inusitado me localiza. Gesticulei pro Nilsinho pedindo uma cerveja e fiquei a matutar:
É golpe. No mínimo

sábado, 21 de abril de 2018

A VINGANÇA DO X





Resultado de imagem para imagem de a vingança do X
Imagem Google




            A VINGANÇA DO X
           
            Não tenho como explicar a ridícula exposição. Simplesmente falei. Aconteceu na UFRN, onde cursava Economia. Na universidade, mas algo parecido, beirando à loucura, já tinha acontecido anos atrás, no ensino médio. Ou não é loucura brigar com letras? Pois é, tive uma briga feia com certo X de uma expressão aritmética. Mas isso é outra história.
A ridícula exposição a que me reportei foi consequência do imbróglio entre um colega e a nossa professora de Macroeconomia, a linda Mara. Lembrei-me da história porque ontem me encontrei com o colega, Pedro Avelino, o língua-santa. Vale a pena contar. Vejam o contexto.
        Por causa da beleza e do nome Mara, os marmanjos da classe chamavam a lindíssima professora de Maravilha. Às caladas, né, gente?
“Os pares eróticos da Mara me tiram do sério, Xis. Lábios, coxas, olhos... Minha Nossa Senhora! Sabe, Xis, as maravilhas do mundo eram pra ser par, oito, a Mara”, costumava brincar o língua-santa.
        Até que numa aula da sexta-feira à noite, Pedro, meio biritado, quis tirar uma dúvida:
         - Tenho uma dúvida, professora Oitava Ma...
      - Como assim Oitava, Sr. Pedro. O senhor ia completar com Maravilha, não ia? Estou sabendo que o senhor e o senhor Xis ficam nos corredores me apelidando de Oitava Maravilha e coisas mais de cunho sexual. Isso é bullying, Sr. Pedro. Está mais do que na hora de acabarem com essas molecagens. Fui clara, senhores?
         Silêncio, risinhos irônicos das meninas, escandalosa risada da Silvana, caro de tacho do Pedro. A professora fugia do comportamento afável. Falava fora de si. Entrei na conversa:
      - Está sendo injusta, professora. Desculpe a franqueza. Não andamos por aí dizendo isso. Não há bullying coisa nenhuma. Nem haveria, mesmo se a chamássemos de Maravilha, já que você é realmente maravilhosa. Talvez haja quando me chamam de Xis, mas levo isso na esportiva. Corro desses mimimis, professora.
Sucedeu, professora, que estávamos jogando conversa fora, eu e o Pedro, quando o tema das Sete Maravilhas apareceu no papo. Então brinquei e perguntei se ele sabia que as Sete Maravilhas do Mundo eram pra ser par. E só não foi em razão do machismo e do preconceito, professora. Pois bem, contei-lhe a história da criação das Sete Maravilhas. Essa história ficou na cabeça dele, professora Mara. Daí que, quando biritado, como agora, Pedro fica misturando as coisas, entendeu?
    - Ah, é? E que história é essa? Conte pra turma, senhor Xis. Desculpe, senhor Tião.
     Silêncio, risinhos irônicos das meninas, escandalosa risada da Silvana, cara de espanto do Pedro. Empalideci. E agora?
   “Estamos esperando, Xis”, brincou a Silvana, certamente imaginando que não tinha ocorrido a tal conversa com o Pedro, mas que eu haveria de encontrar uma saída.
          Olhei irado para a sorridente Silvana. Mas a ira despertou-me a criatividade e comecei a falar. Engraçado como uma coisa puxa outra e como a criação é parideira. Nunca me imaginei pai de tamanha mentira. A classe ouvia de queixo no chão:
        - Ocorreu o seguinte, professora Mara. O cara que criou as sete Maravilhas do Mundo era meio doidão. Ele queria um número par de maravilhas, entendeu?
Pensou no 6, mas o achou gorduchinho na traseira.
“Bundão. Serve não. Melhor o 8. Também não presta. Parece uma professorinha com as mãos nos quadris. Cintura de violão não dá. E o 7 ou o 9, apesar de ímpares”? 
O machista apanhou o 9, fê-lo grandão, pregou-o na parede e ficou a contemplá-lo.
“Também está descartado. Tem a cabeça muito grande. Acho até que

sexta-feira, 30 de março de 2018

RETRATOS DE AMANTES




Resultado de imagem para imagem de retratos de amantes
imagem Google


RETRATOS DE AMANTES



Levarei bordoadas em razão desta postagem.
“Misericórdia, quanta criatividade! Barzinho de novo, TC?”, dirá a Silvana. O Zé Alves não deixará por menos: “Assim não dá, meu. Só começa texto ambientado em barzinhos, cara”. Aí ele vai liberar um PQP do tamanho do mundo.
Bobagem. A dupla gosta de me ler bebendo. São biriteiros oficiais.
Sou fissurado em barzinhos, confesso numa boa. Fazer o quê? Normalmente saio deles com bela história no quengo. A atmosfera prazenteira de botecos é indescritível. Neles, algo cósmico cozinha a nossa mente e logo nos serve a solução para as mazelas da vida.
Repito o discurso com o qual deixo cambaleante a verdade dos incrédulos abstêmicos. Boteco é terapêutico, porquanto elimina angústias. É produtivo, já que cria soluções. É circense, porque injeta sorrisos. É democrático, visto acolher qualquer assunto. É extrovertido, posto destravar línguas. É abastado, pois torna o cliente endinheirado.
Santuário do prazer, boteco é, enfim, pura poesia.
Então, pingo do meio dia da quinta-feira santa, passava defronte de um barzinho na periferia de Natal, achei-o atraente, acomodei-me numa mesinha de canteiro e pedi uma cerveja. Minutos depois chegaram quatro senhores e sentaram-se a uma mesa a dois metros de mim. Pediram cachaça e caldo de camarão. Não eram nem moços nem velhos. Adolescentes da velhice, digamos assim. Não eram bonitos nem feios. Apenas apresentáveis, se é que me entendem. Mas traziam aquela distinção não desprezada pelos veteranos da alegria. Esse indescritível quê, frio, sagaz e irônico, que diz claramente: Já vivemos muito e ainda procuramos o que poderíamos amar e estimar.
Cumprimentamo-nos apenas de cabeça. Amizades de barzinhos sempre começam timidamente. Mas tapinhas nas costas e abraços são comuns nas despedidas. Esse é o protocolo da turma biriteira.
Foquei os olhos numa morena-jambo que caminhava na direção da mesa vizinha à dos pré-idosos. Vinha da parte interna do bar e bebericava uma bebida vermelha. Andava e dava carona a certas imaginações e a olhares deleitosos. E delituosos. Culpa do excesso de beleza. Falava ao celular, gesticulava e olhava na extensão da rua. Sentou-se e se pôs a mexer no aparelho.
Bom, os senhores falaram por alguns instantes de corrupção, tiraram fino na Seleção Brasileira de Futebol, passaram de raspão na violência e iniciaram um papo sobre gastronomia.
Não dou dois minutos para o assunto ser mulher, pensei. Acertei na mosca. Um deles desviou a conversa para as amantes. Falou rebuscadamente. Quer se mostrar para a moça carente de feiura, imaginei. Iniciou assim:
Todos os homens já tiveram a idade dos querubins. É a época em que

terça-feira, 13 de março de 2018

SENSAÇÕES E CONEXÕES





Resultado de imagem para imagem de sensação prazerosa
Imagem Google




SENSAÇÕES E CONEXÕES

Começou pela curiosidade. Em segundos, chegou a imaginação.
São esses comandos que concebem tudo na vida. Somos paus-mandados dessa dupla. O momento em que uma ou outra nos visita é que oscila, embora a curiosidade costume se adiantar. É bom ficar ligado nessa duplinha, já que é ela quem transporta a matéria prima do futuro.
Assim como não devemos confundir mapa com território, aparência com realidade, sensação prazerosa com prazer, convém distinguir matéria prima do futuro com o futuro em si. Percorrido, o mapa será território; comprovada, a aparência transforma-se em realidade; manipulada, a matéria prima vira produto, que vive matéria prima, que vira produto, que...
Mas a confusão maior do ser humano consiste em confundir sensação prazerosa com prazer. Existe apenas um prazer na vida. Único, divino, multiplicador, extremado. Assim é ele. Genericamente, chama-se fluxo imaginativo de vivências o processo pelo qual um estímulo externo ou interno desencadeia percepções de raro bem-estar. E o resultado desse processo chama-se sensação prazerosa. Sensação prazerosa e não prazer, repita-se, já que este é único, repita-se por oportuno. Contraditório, só o prazer é capaz de gaguejar, simultaneamente, sons de sofrimento e de júbilo.
Prazer tem sinônimo único: sexo. Sensação prazerosa tem teatro, esporte, música, alimentação, bebida...
Cada pessoa é única. O que as diferencia

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

CERTO INTRUSO NO HISTÓRICO JULGAMENTO




Resultado de imagem para imagem de julgamento
ImagemGoogle


CERTO INTRUSO NO HISTÓRICO JULGAMENTO

“Deixem-me ir lá, deixem-me entrar. Peçam autorização ao presidente da sessão. Liguem. Quero falar com as suas excelências”.
Expressava-se dessa maneira a exótica figura no entorno do Tribunal Regional Federal, em Porto Alegre. Não usou essas palavras, diga-se. Saíram assim no Jornal do Porco (JDP) em razão da censura de meu chefe. Não havia nada afrontoso nos termos da exótica figura, mas a implicância do chefe cortou a naturalidade. Vivo às turras com o JDP. Não me demitiram ainda porque são reféns de minha perspicácia. Sou realmente um repórter especial. E era nessa condição que estava ali, já que acompanhava aquele caso havia bastante tempo.
O caso em questão começou em 2009, num lava a jato, em Brasília. Alguém se interessou por certa figura e pôs em ação as tratativas de entendimento. Coisa banal, pois desde que o mundo é mundo que ocorrem tais tratativas. Mas o mundo mudou com o nascimento da internet. Começaram a mimá-la a divulgação em massa, a pressão social, os grupos formadores de opinião, mas deformadores, em certos momentos, a linguagem imprecisa, a notícia em cima do fato. E, como ninguém é de ferro, a brincadeira e a fofoca.
Mudado o mundo, aquele alguém do lava a jato de Brasília se viu nas garras do Ministério Público. Garras que foram se alargando, se estendendo, se expandindo... Certo é que chegaram ao agora réu em julgamento no TRF. Julgamento histórico, com caravanas, marchas, manifestações e um aparato de segurança jamais visto no Brasil. Julgamento que vinha deixando a boca do país aberta, posto inimaginável figura tão carismática sofrer tamanha humilhação. Suavizada, registre-se, pela ausência do réu, já que desobrigado de comparecer por se tratar de um recurso judicial, condenado que fora em primeira instância.
Bom, dizia eu que o chefe mudou as palavras da exótica figura. Mas, aqui, distante da censura, posso ser fidedigno aos fatos. Fato é que a exótica criatura usou estas palavras:

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

A CARTA DO VELHO






Resultado de imagem para IMAGEM DE CARTA
Imagem Google



A CARTA DO VELHO

Querido TC de meu coração,
Espero que ao receber essas mal traçadas linhas esteja a gozar de perfeita saúde junto dos que com você labutam. Um beijo no coração de todos e de todas. Por cá, eu e os agregados vamos indo como Deus quer e consente. Desculpe, TC, esse todos e todas. Tenho lido suas prosas, sei que não gosta dessa expressão. Mas saiu, meu rapaz. E, como vai acabar descobrindo, não posso apagá-la. Não só por estar escrevendo de caneta, mas também por uma questão lógica, cósmica mesmo.
Ah, cara, é hora de lhe pedir duas desculpas. A primeira é por você estar quebrando a cabeça para saber quem é o maluco que jogou, sem assinatura, tão cafona carta na sua caixa de correspondência. A segunda tem a ver com a linguagem. Sabe, TC, fico meio confuso na hora de redigir. Ora uso termos antigos, ora modernos, ora gírias. As tais das redes sociais mexeram em meus parafusos literários, TC. Destarte e contudo, continuo caminhando, sem olhar para trás, senhor de mim, entende?
Escuta só, TC de meu coração. Sou tão velho quanto se queira. Não o Siqueira seu amigo de boteco, mas o da sua imaginação. Pois bem, apesar de matusalêmico, não vivo alquebrado. Tô novinho em folha, bicho. Por que escrevi pra vosmecê?

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

DETERMINADOS




Resultado de imagem para imagem de determinados
ImagemGoogle


DETERMINADOS

Segundo Drummond, foi o rapaz do posto de gasolina quem primeiro viu os três vultos.  Caminhavam a pé, sem pressa, no leito dos carros, indiferentes ao risco. Motoristas jogavam-lhes palavrões, sem que eles se importassem. Estavam vestidos de maneira inabitual: um de vermelho, outro de verde, outro de roxo. As roupas se assemelhavam a túnicas e usavam boinas amarelas, pontiagudas, aparentando coroas. Pareciam personagens de filmes históricos.
       Os estranhos estavam a quinze metros do posto. O rapaz teve vontade de se antecipar e perguntar o que desejavam. Mas deteve-se. Eram três homens, ele estava desarmado, não sabia que espécie de gente era aquela.
O mais alto deles ficava ainda mais esguio olhando para o céu, como quem indaga o tempo. Os outros miravam um ponto vago, esperando decerto que ele comunicasse o resultado da inspeção. Não houve palavras, entretanto. O homem comprido baixou a cabeça e fitou os companheiros. Entendiam-se pelo olhar. Não careciam de palavras, ou temiam empregá-las. Tratava-se, realmente, de indivíduos suspeitos.
Mas a suspeição foi logo embora. O rapaz do posto — já é tempo de chamá-lo Levi, pois assim fora batizado e registrado, embora os colegas o chamassem de coletor — imaginara no primeiro instante que fossem ladrões. Depois, pela excentricidade dos trajes, supusera-os simplesmente loucos. Decidiu-se e foi ao encontro deles:
Oi, posso ajudar em alguma coisa?
Deram calado como resposta.
Falam não, é? Tão com medo da chuva? O céu tá limpo.
        Outra resposta calada.
Ah, malucos mesmos.
Levi deu de ombros, fez uma selfie e postou no grupo do futebol: “Apareceram do nada. Acho que saíram do mar. Não falam, não escutam, não têm medo de carro”.
Estão imaginando, minhas lindas, no que deu a postagem do Levi? Isso mesmo. Deu no que deu.
     Bom, os estranhos deixaram