sexta-feira, 22 de junho de 2012

SABUGOS DA CRISTAL+ 5



“Foi um desastre, Sr. Porquinho”, disse a representante da Organização Sim Governamental – OSG – Cristal Suja. “Até que a coisa corria mais ou menos, então chegaram esses dois e embaralharam o meio de campo todo. Daí que...”
- Desculpe, senhora. Embaralharam o meio de campo? E a Cristal+5 não era para desembaralhar o meio ambiente, não? Aliás, achava eu que esses dois gostassem mesmo era de um vinhozinho e de uma pinguinha, não de baralho. Não entendi, desculpe.
- O senhor está de gozação, não é, Sr. Porquinho? Meio de campo é força de expressão, seu entrevistador meia-tijela. De mais a mais, o senhor

sábado, 9 de junho de 2012

JORNAL DO PORCO - EDIÇÃO ESPECIAL

JORNAL DO PORCO – EDIÇÃO ESPECIAL

Bom-dia a todos.
Antes das palavras do Dr. Bião, gostaria de prestar alguns esclarecimentos. É, é... O som está me parecendo imperfeito. Por favor, peço ao encarregado...
“O som está cortando, doutora. Tá chegando pra gente de carroça, bêbado todo. Estiquei o pescoço prum lado, mas mesmo assim não compreendi bem o que a doutora disse. Aqui atrás só vai entender a senhora quem tiver as ouças de tuberculoso. A doutora estava lamentando a ausência da prefeita, não era isso?”
É claro que a risadeira foi geral. É claro também que geral significa os escritores que estavam próximos à mestra de cerimônias, visto os que estavam no fundo da sala terem entendido exatamente o que o reclamante dissera.
Antecipando-me aos tais esclarecimentos, convém explicar:
Quem quer dar as informações é a educadora

segunda-feira, 4 de junho de 2012

PROSINHA EMBRIAGADA


Escrevi este texto ontem à noite, depois do jogo do Brasil. Relutei em publicá-lo, pois o danado está cambaleante de erros. Mas terminei cedendo à minha carraspana. Conto com a compreensão de vocês, meus nobres.
Se quiserem uma prosa melhor, leiam o CHICO, aqui embaixo.
É isso!

PROSINHA EMBRIAGADA

Não nego a nego nenhum: gosto de degustar uma gela, gente. Uma uma porra! Duas. Não duas diuturnamente, digamos. Mas, serei sincero, semanalmente sim. Hoje, todavia, tomei todas. Me melei, meus! Fiquei mais melado do que mau de malinheiro. Aí cuidei de caçoar com os senhores e com as senhoras.
A enganação é estar escrevendo embriagado este embuste de escrito. Com a canalha condição de conservar o contexto começado. Quero perceber, pessoal, como fica uma prosa parida dum pensamento procedente

sábado, 2 de junho de 2012

CHICO


CHICO

Gorete não se conformava com o tom de desprezo da voz da secretária atendente:
“Acontece, D. Gorete, que o Chico não pode falar com a senhora. Nem agora nem nunca. Que coisa! Desculpe, mas vou desligar”.
E desligou. Na cara da Gorete.
            Cabelos engolindo o vento, dentes se alimentando de unhas, corpo maleitado, voz arremedando varas verdes, Gorete pegou ar, tornou a ligar e soltou o verbo:
            “Como assim nem agora nem nunca, sinha abusada! Tá maluca! Chame...”
            Nova desligada na cara da Gorete.
            Gorete sorveu o ar puro da praia, olhou a hora: 7 e 34 da noite.