terça-feira, 16 de setembro de 2014

COISAS DE MALUCO

COISAS DE MALUCO

Sou cultivador de palavras. Não na acepção de escrevê-las e sim na de curti-las. Curtir não exclusivamente por gostar delas. Algumas são curtidas por despertarem em mim a sensação de bani-las do dicionário.
Coisa de maluco, não?
Coerência é uma delas. Já viram palavra mais gilete? Quando o sujeito conserva particular opinião está sendo coerente, verdadeiro. Mas quando muda de opinião é sinal de mente aberta, evolução. E, no mais das vezes, a inversão se dá só pela conveniência. Agora, apavorante mesmo é a esquisita multifacetada. Pense numa palavrinha cheia de nhenhenhém.
Algumas palavras são supimpas. Interesse, circunstância, risco. Essas são doze em reflexão. Mas profunda e linda ao extremo é PERPLEXO. Pronuncie e veja o sabor. Os beiços se unem, depois se abrem, em seguida fazem um biquinho. Uma delícia. Aliás, palavras com esse tipo de xis são sobretudo agregativas. Nexo, anexo, plexo mostram essa união.
E sexo?

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A PROSA DOS NOVE

A PROSA DOS NOVE

Faz quinze dias que não entra sujeira aqui. Pensei em postar alguma coisa acerca do horário eleitoral, mas acabei dando preferência a outro escrito. Vejam como as palavras são traíras. Escrevi “não entra sujeira aqui” querendo ser engraçado com o Pocilga. Depois disse que tinha pensado no horário eleitoral, mas que dera preferência a outro escrito. Não ficou parecendo que tachei de sujo o horário eleitoral? Ficou, sim. Longe de mim tal intenção. Julgo importante e limpo aquele momento, podem acreditar. Às vezes ele se mostra limpo de bom senso, mas não há de se exigir perfeição em tudo.
Ah, o outro escrito. Que também não é sujeira, diga-se.
Ou é?
Sujeira pode até não ser, mas idiotice certamente o é. Seguinte. O Pocilga tem 135 postagens. Então cismei de transformar em livro